Pular para o conteúdo
Voltar

Salão do Artesanato recebe estande de MT com peças de mais de 50 artesãos

O evento ocorrerá entre os dias 07 a 11 de novembro, no Salão do Artesanato, em São Paulo.
Renata Menezes I Sedec/MT

A | A

O setor do artesanato em Mato Grosso ganha fôlego com nova ação comercial promovida pelo Programa do Artesanato Brasileiro (PAB), que é coordenado localmente pela adjunta de Empreendedorismo e Investimentos da secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec).

Entre os dias 07 a 11 de novembro, o Salão do Artesanato em São Paulo contará com um estande de 100 m² do estado com toda a diversidade em estilos de artes manuais mato-grossenses, levando ao público o melhor da produção local.

Estarão expostas para comercialização peças que resultam de diferentes técnicas e matérias-primas variadas, como madeira, cerâmica, arte indígena, metal, fibra, fios e tecidos, cipó de urubamba, tecelagem, semente, pedras e Bio joias que retratam muito da cultura e dos costumes de diversos povos que vivem em Mato Grosso.

Participam ‘in loco’ nove artesãos de MT, sendo que mais de 40 serão atingidos indiretamente e contemplando também seis associações que representam diversos municípios como: Cuiabá, Várzea Grande, Poconé, Sorriso, Sinop, Guarantã do Norte, Alta Floresta, Rosário Oeste, São José do Rio Claro, Rondonópolis, Nobres, Canarana e Barra do Bugres.

Entre os que viajam de Cuiabá para São Paulo, um veterano na profissão. Ernane Monteiro contabiliza cinco décadas dedicadas ao ofício de produzir redes usando técnicas milenares da extinta tribo Guaná que viveu em Mato Grosso no século 19.

“Minha mãe tinha uma loja que vendia diversos artigos e fui começando a gostar da arte de confeccionar as redes. Com o tempo fui aprimorando as técnicas e melhorando a qualidade da matéria-prima que é o fio 100% algodão. Minhas peças são exclusivas, totalmente feitas a mão e, para concluir cada uma delas, levamos em média dois meses. Um trabalho manual que exige força, concentração e muito amor”, explica o artesão cuiabano.

Com tanto valor agregado, Ernane confessa que suas peças não são muito acessíveis, mas que, participar de eventos como o Salão torna mais fácil a venda, pois, segundo ele, o público que frequenta valoriza este tipo de arte. “Ano passado também vim para o Salão e tive bons resultados, inclusive, pedidos de encomendas. Além de vender, podemos trocar contatos com lojistas e apreciadores que podem gerar futuros negócios”.

Serviço: 11º Salão do Artesanato, São Paulo - Expo Center Norte, dias 07 a 11 de novembro, entre 11h e 22h. Ingressos: R$20 inteira e R$10 meia (entrada gratuita até às 13h).