Pular para o conteúdo
Voltar

Profissionais relatam o amor por fazer artesanato

Trabalhos como máscaras, figuras indígenas e participação em feiras dão satisfação às profissionais
Tuani Awade Nunes da Mata* | Sedec -MT

Artesanato feito por Leonice da Silva - Foto por: Leonice da Silva
Artesanato feito por Leonice da Silva
A | A

Para Leonice da Silva, 58 anos, não há outra palavra para descrever o artesanato além de satisfação. “É incrível! Você cria um produto com sua criatividade e depois vê a expressão das pessoas”, relata.

A artesã começou a praticar a atividade há mais de 20 anos, mas foi apenas oito anos depois, após sua aposentadoria, que resolveu se dedicar integralmente à atividade. Entretanto, a escolha pelo artesanato não partiu de si própria. “O artesanato é um dom, você não escolhe”, acredita ela, que nesta quinta-feira (19.03) celebra o Dia do Artesão.

Leonice, apesar de fazer vários produtos, gosta mais de criar máscaras e figuras indígenas. “O dia do artesão representa um dia de comemoração e valorização profissional. É um dia em que nos sentimos valorizados”, ressalta.

A aposentada participa todos os anos do dia do artesão. Segundo ela, a edição que mais lhe agradou foi a última, realizado no Serviço Social do Comércio (Sesc).

Francisca Gomes dos Santos, 75 anos, gosta muito das feiras do artesão. “Faz uns três anos que eu participo das feiras. Eu trabalho bastante, eles levam minhas coisas para vender e eu já sou de idade, gosto de passear. É bom demais! ”

Entre os produtos que ela costuma vender os animais do Pantanal são os que mais se destacam. O tucano costuma ser o seu preferido, apesar de ser bastante trabalhoso: “Só tem que faz bem-feitinho, mas fica bem interessante”

Francisca começou a fazer artesanato há mais ou menos dez anos, quando ainda trabalhava vendendo roupas. A dedicação fez com que um dos seus doze filhos seguisse quase o mesmo caminho que ela, porém através das pinturas.

Para ela, o artesanato é algo para ser amado e apreciado. “Eu sou apaixonada por isso que eu faço, mas é importante ser valorizado não apenas neste dia, mas em todos outros”, finaliza.

*Sob orientação de Thielli Barros.