Pular para o conteúdo
Voltar

Codem libera mais de R$ 402 milhões em crédito para setores empresarial e rural

Financiamentos aprovados serão responsáveis pela abertura de 1.584 novos postos de trabalho em MT
Viviane Moura | Sedec-MT

- Foto por: Christiano Antonucci/ Secom-MT
A | A

Os setores produtivos empresarial e rural vão receber investimentos superiores a R$ 402 milhões em linhas de crédito, do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro Oeste (FCO). O montante foi aprovado pelo Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Codem), composto pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Sedec-MT) e parceiros. No total, foram aprovadas 95 cartas-consulta.

O FCO rural teve 89 projetos aprovados e terá recursos liberados no valor de R$ 299,5 milhões, o que irá resultar 558 empregos diretos e indiretos, no Estado. Dentre os contemplados pelo programa estão pequenos produtores, com 12 projetos aprovados, pequenos-médios produtores, com 48 cartas liberadas, médios produtores, com 25 e grandes produtores com 4 cartas.

Já no FCO empresarial, ao todo, foram deferidos 6 projetos para o setor, que somaram mais de R$ 102 milhões de crédito, que vão gerar 1.026 empregos diretos e indiretos.

Recursos que conforme o secretário de Desenvolvimento Econômico e presidente do Codem, César Miranda, estão cumprindo a designação de fortalecer a economia e geração de emprego e renda a todas as regiões mato-grossenses.

“O Fundo de Crédito tem sido um ponto de referência para empresários e produtores do nosso Estado, tanto que cada vez mais há procura pelas linhas de financiamento. Isso porque ele cumpre o papel de desenvolvimento econômico e social, objetivo pelo qual foi criado.  Cada aprovação de projeto garante a abertura de centenas depostos de trabalho em Mato Grosso, tanto no comércio na indústria e meio rural”, destaca Miranda.

Índice semestral

Somente no primeiro semestre deste ano, Mato Grosso efetuou mais de R$ 1.750 bilhão em contratações com recursos do FCO, de acordo com dados do Ministério de Desenvolvimento Regional. Um acréscimo 66% superior ao mesmo período de 2020.