Pular para o conteúdo
Voltar

Mato Grosso sedia a primeira reunião do Bloco V do Plano Estratégico da Febre Aftosa

Um dos maiores patrimônios de MT é o rebanho bovino de 30 milhões de animais e a mudança de status sanitário para 'zona livre de febre aftosa sem vacinação'.
Dayanne Santana | Indea-MT

A | A

Mato Grosso sedia a 1ª reunião do Bloco V, do qual também fazem parte Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. O encontro será realizado na sede do Governo do Estado, o Palácio Paiaguás, de 19 a 21 de junho. O evento reunirá representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), do Instituto de Defesa Agropecuária (Indea-MT) e dos serviços veterinários dos estados integrantes, classe política, setor produtivo e industrial, sindicatos e conselhos de classe.

Estados e países que fazem divisa com os integrantes do Bloco V também serão convidados para as discussões que serão voltadas para a execução do Plano Estratégico 2017-2016 do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), que prevê a retirada total da vacinação no país até 2023. A última vacinação contra a febre aftosa a ser realizada no Brasil está prevista para maio de 2021, com os estados do Bloco V. De todo o país, apenas Santa Catarina é reconhecido como zona livre de febre aftosa sem vacinação, desde 2007.

As diretrizes básicas do PNEFA preveem gestão compartilhada entre governos e iniciativa privada; aperfeiçoamento das capacidades do Serviço Veterinário Oficial (SVO); regionalização das ações; sustentação financeira; adequação e fortalecimento do sistema de vigilância; agilidade e precisão no diagnóstico; previsão de imunógeno (partícula, molécula estranha ou organismo capaz de induzir uma resposta imunológica) para emergências veterinárias; cooperação internacional e educação em saúde animal.

Um dos maiores patrimônios de Mato Grosso é o rebanho bovino de 30 milhões de animais. E a mudança de status sanitário, de zona livre de febre aftosa com vacinação para zona livre de febre aftosa sem vacinação, permitirá a abertura de novos mercados para os produtos e subprodutos de origem animal produzidos em território mato-grossense.

Para a presidente do Indea, Daniella Bueno, sediar a primeira reunião do Bloco V é muito importante dada a dimensão da produção mato-grossense. “Temos o privilégio de termos um excelente relacionamento com a Superintendência Federal do Ministério da Agricultura em MT e com a cadeia produtiva do estado. Para que o Plano tenha êxito é necessário que haja interação das partes envolvidas nesse processo. A participação de todos os entes da cadeia produtiva será fundamental para o fortalecimento da defesa sanitária e o avanço para a retirada da vacinação”.

O Plano Estratégico está alinhado com o Código Sanitário para os Animais Terrestres, da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), e as diretrizes do Programa Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa (Phefa), em prol também da erradicação da doença na América do Sul.

Blocos

Plano Estratégico de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA) prevê a retirada total da vacinação no país até 2023. Os estados foram divididos em cinco blocos pecuários para que seja feita a transição de área livre da aftosa com vacinação para sem vacinação. Integram o Bloco I, Acre e Rondônia; o Bloco II: Amazonas, Amapá, Pará e Roraima; o Bloco III: Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte; Bloco IV: Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Sergipe e Tocantins, e; Bloco V: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.